Category: CONTOS ERÓTICOS


Oi! Antes de mais nada, esse não é um conto erótico propriamente dito e sim um desabafo de uma mulher confusa! Meu nome é Daiane, tenho 31 anos, sou dentista. Sou casada com Fernando, 33 anos, médico! Somos casados há mais de 3 anos, mas no final de 2011, nosso relacionamento estava muito desgastado, praticamente não havia mais sexo entre nós, só conversávamos para brigar. Até que, 2 dias após o Natal, saí com uma amiga minha para curtir um barzinho. Lá, conheci o Leandro, um rapaz mais novo, de 25 anos, um bom papo, curti muito ele. E aí é que mora o problema. Como pode, eu amando o meu marido, me interessar por outro? A partir daí, comecei a me afastar de Fernando, até que, no dia 2 de Janeiro já deste ano, resolvemos dar um tempo, pois nossa relação estava totalmente insuportável. Nesse mesmo dia, o Leandro me ligou, me convidando para sair e, uma vez que eu estava dando um tempo, resolvi aceitar. Ele me buscou em casa e me levou direto para o melhor motel de minha cidade. Nossa… e ele me levou às nuvens. Nunca pensei que pudesse sentir o que senti com ele naquele motel. O pênis dele, em grossura, era o dobro do pau do meu marido. Sentir um pau grosso invadindo a minha bucetinha apertada foi a melhor experiência sexual que vivi. Além disso, ele transou comigo durante a noite quase inteira, coisa que meu marido nunca fez. Ficamos saindo quase todos os dias nessa semana, sempre ele me levando ao motel e me comendo deliciosamente. Quando eu estava sozinha em casa, sentia muitas saudades de Fernando. Mas quando estava com Leandro, nem lembrava direito dele. Teve uma vez que ele estava metendo bem gostoso em mim, quando recebi um torpedo do Fernando dizendo que sentia saudades de mim, que não podia viver sem mim… e assim também eu me sentia. Mas naquele momento, só queria saber da pica do Leandro me arrombando. Ele me viciou em sexo e eu não sabia o que fazer… Ficamos separados por exatos 6 dias e, nesse intervalo, transei várias vezes com o Leandro. Mas o meu amor por Fernando falou mais alto e resolvi voltar pra ele, com a promessa feita a mim mesma que nunca iria traí-lo. Nossa vida sexual melhorou muito, muito mesmo… Mas, como a carne é fraca, 1 semana depois, durante um plantão noturno de meu marido, Leandro apareceu na minha vida de novo e não consegui resistir. Novamente, dei pra ele maravilhosamente, sentir aquele pedaço de carne grosso dentro de mim me fez me sentir a maior das putas, mas foi delicioso! Pois então, 1 semana após essa traição, eu estava no facebook de meu trabalho conversando com minha amiga, que sabia de minha traição e conhecia o Leandro… falava a ela que estava com saudades de transar de novo com ele, que estava com muita vontade de te-lo de novo entre minhas pernas… mas o que eu não sabia é que tinha deixado o facebook em meu laptop aperto e meu marido estava lendo todas as minhas confissões. Quando cheguei em casa, ele estava aos prantos, disse que leu tudo e que queria saber o que tinha acontecido… confessei tudo e disse que o amava acima de tudo, mas o fato de ele ter me deixado em segundo plano me fez desejar outros homens e eu havia me viciado no Leandro. Ele pediu para que eu nao me separasse dele, pois durante o nosso tempo, ele sofreu muito (e eu também, apesar de ter gozado horrores). Disse a ele que não amava o Leandro (o que é a pura verdade), eu sentia apenas um desejo sexual quase que incontrolável. Ele, então, pediu para que eu nunca mais o traísse e que, sempre que eu sentisse vontade, contasse a ele que a gente resolveria isso juntos… desde então, nossa vida sexual ficou intensa… ele me come quase todos os dias, me trata como uma puta na cama e o Leandro, vendo que eu não mais o procurava, nunca mais me procurou também… mas confesso que, tem dias, que morro de vontade de sentir aquela vara grossa dentro de mim de novo… só que não quero trair meu marido novamente. O que eu faço? Gostaria de conversar com alguém que esteja vivendo algo parecido com essa história.
Essa é a primeira vez que estou escrevendo, sou o Antonio 29 anos casado há cinco anos com Sandra Regina 26 anos, o fato aqui narrado retrata somente o ocorrido. Quando namoramos nós morávamos em cidades distantes por motivo de estudo, então só nos encontrávamos nas férias ou feriados longos, e tão logo me formei casamos e mudamos para São Paulo (capital), Sandra Regina é uma mulher muito bonita, branquinha, o que mais chama atenção no seu corpo é seus seios que são grandes e firmes em relação ao seu corpo de 1,68cm e 54 kg. Como não tínhamos conhecidos na cidade e a Sandra Regina ficava sozinha em casa, os primeiros meses de casamento nós transavamos todos os dias ao deitar e ao acordar, e foi assim que Sandra Regina ficou grávida, foi à maior alegria de nossa vida, é uma menina linda igual à mãe. O fato é que no final do oitavo mês de gravidez ela sentiu um desconforto na relação e nossa obstetra disse que deveríamos mudar de posição ou parar com sexo, assim aconteceu e como o parto foi normal, recebemos a visita de nossas mães, e minha sogra então ficou mais tempo, ela recomendou a Sandra Regina não manter relação comigo nesse período, disse que deveria aguardar a quarentena, eu já estava louco de tesão. Com uns quarenta dias a sogra viajou e ficamos sós, ainda sem sexo, na terça feira Sandra Regina disse que levaria nossa filha no posto para tomar as vacinas necessárias de acordo com o calendário, eu disse que iria junto e marcamos de tarde, só que me atrasei e quando fui chegando ao posto vi Sandra Regina sentada num banco numa praça em frente ao posto conversando com um homem, como não conhecia fiquei observando e eles conversavam e riam até que ela passou nossa filha para o colo dele que se levantaram e saíram rumo a minha casa que ficava há umas quatro quadras dali, só que na segunda esquina eles viraram achei estranho e fui atrás para ver o que acontecia, eles andaram umas duas quadras, viraram e mais duas quadras entraram num prédio, ela ainda olhou para trás como se procurasse alguém, fiquei ali perto observando quando Sandra Regina sairia e por que ela entrou ali com um desconhecido. Passados duas horas eles saíram e rumaram até próximo de casa onde ele passou nossa filha para o colo de Sandra Regina segurou em seu braço e olhando para os lados como quem procura algo e não vendo ninguém e deu um beijo na boca que de onde eu estava vi que era de língua, ele voltou enquanto Sandra Regina foi para nossa casa, nós moramos num bairro residencial e como a maioria trabalha fora as ruas ficam bem desertas, voltei para pegar o carro e já em casa ela estava no banho, quando saiu para o quarto enrolada na toalha eu perguntei como foi sua tarde, ela ficou brava comigo por faltar ao compromisso e disse da ida ao posto e só, eu disse que fui ao posto e a vi conversando com alguém, ela fico paralisada, então perguntei o que aconteceu no apartamento dele (eu já imaginava o acontecido, a final duas horas um homem e uma mulher), ela sentou na cama e disse que o Roberto, um professor universitário puxou papo com ela e como ela tava sozinha e com raiva que eu faltei ao encontro com ela, pois prometi ajudar ela com nossa filha, eles conversaram sobre filhos, casamento, e coisas banais, ele foi muito gentil e ela sentiu sua bucetinha ficar molhada e a gentileza de Roberto foi tanta que ela aceitou seu convite inicial dele levá-la para nossa casa, só que no caminho ele o convidou para ir ao seu apartamento, com desculpa de pegar algo foram até o apto do Roberto e quando estavam dentro do apto ele colocou nossa filha na cama e conversaram mais alguns minutos quando ele a pegou pelos braços e se beijaram, ela disse que foi instantâneo e logo estavam se deitando e tirando a roupas, como ela disse já fazia mais de setenta dias sem sexo, então logo ele chupava seu corpo, principalmente sua bucetinha que já estava muito molhada e ela passou a chupar seu cacete que é do mesmo tamanho do meu dezessete cm porem um ou dois cm mais grosso, e como estava de cacete duro como uma rocha ela cavalgou naquele cacete, até sentir toda a porra quente em sua buceta e caiu cansada ao seu lado, descansaram e foram tomar banho onde ele penetrou mais uma vez, só que como ela ficou de costa para ele e arrebitou a bunda ele penetrou também no seu cuzinho que mesmo sentindo uma pequena dor devido a grossura maior que o meu e de fazer tempo sem dar ela recebeu a porra quente do amante no cuzinho. Ao ouvir seu relato eu não sabia o que fazer e após alguns minutos em silencio puxei a toalha de Sandra Regina e comecei a chupar sua buceta e beijava com grande desejo e logo já estava penetrando em sua deliciosa buceta que ainda estava vermelha de ter transado com o Roberto, foi tão louco minha reação que gozei logo enchendo sua buceta de porra. Ficamos deitados e abraçados ambos calados até que ouvimos nossa filha resmungar, Sandra Regina levantou e foi amamentar nossa filha, naquela noite ainda fizemos amor sem nada comentar sobre o ocorrido, dois dias depois a noite após uma deliciosa transa ela me perguntou como estava me sentindo com sua transa com o Roberto, eu disse apenas que o amava e que ela sabe o que é melhor para nós dois. E assim na sexta já de tarde ela apareceu no meu escritório, estava linda, um vestido colado ao corpo um pouco curto deixando partes de suas coxas torneadas amostra, como era de botões na frente ela estava amamentado e deixou uns três botões abertos deixando ver detalhes de seu soutien vermelho. Ela sabe que adoro quando ela se veste de lingerie vermelha ou preta já que destaca na sua pele branca. Disse que me esperaria para sairmos e logo fomos ao shopping e quando voltamos para casa me pediu para ir pela rua do apartamento do Roberto, achei estranho mais fiz sua vontade, paramos, entramos e cumprimentei, ela então deixou nosso filho no sofá e olhando para mim deu uma piscada e foi beijar seu amante, foi bastante esquisito para mim, então ela se voltou para mim e deu um delicioso beijo e disse, eu te amo muito e quero que você aprove o que vou pedir, antes dela falar eu lhe dei um beijo e pedi silencio, então começamos a conversar sobre assuntos diversos, até que ela foi amamentar nossa filha e deixando seus seios a mostra já que ela abrir bem o vestido deixando cair até sua cintura e puxando o soutien de forma que ambos ficaram expostos, nós dois ficamos ali observando aquela cena linda de uma mãe amamentando, após ela levantou e foi em direção ao quarto, ele me chamou e entramos juntos, acomodou nossa filha num confortável sofá no pé da cama, ainda seminua me chamou e puxando meu corpo caímos na cama e começamos nos beijar, eu até esqueci que o Roberto ali estava só dei conta quando já estava de cueca e ela totalmente nua, foi ai que ele se aproximou e deitando ao seu lado virou minha esposa para si e lhe deu um beijo ardente, aquela cena me deixou mais louco de tesão e puxando Sandra Regina a deixei de frente e meti meu cacete em sua buceta, onde ela rebolava e gemia pedindo que eu enfiasse mais, então se posicionou de forma que Roberto veio por traz mesmo com dificuldade pela posição enfiou seu cacete naquele cuzinho delicioso, foi nossa primeira dupla penetração, nós dois ficamos num vai e vem delicioso até que gozei em sua deliciosa buceta, ficando parado e vendo Sandra Regina rebolar com o cacete de Roberto todo enfiado até receber toda porra e os dois soltarem seus corpos sobre o meu, nos arrumamos e descansamos um pouco até que ela começa a chupar nossos cacetes para mais uma sessão de amor, desta vez eu penetrei seu cuzinho enquanto Roberto penetrava sua buceta, mais uma vez gozamos dentro dela misturando nossas porras. Tomamos banho e voltamos a transar os três e dormimos cansados, acordamos na madrugada para ela amamentar e Roberto transou gostoso com ela até caírem cansados enquanto eu fingia dormir, ela me abraçou de forma que sua bucetinha ficou na minha perna escorrendo toda porra de Roberto e dormimos, na manha fizemos mais uma dupla penetração e após o banho e tomar café da manha fomos embora. Em casa nada comentamos e assim passamos o final de semana onde de noite nossas transas foram maravilhosas. Na terça ao retornar do trabalho, ela estava tomando banho e pediu para que eu entrasse, no banho me disse: não vai perguntar como foi meu dia? Eu perguntei e ela disse: fui no apartamento do Roberto e transamos muito, antes do almoço, após a soneca do almoço e a pouco antes de voltar. Então ajoelhei e pude ver sua buceta muito vermelha e inchada, ela virou e mostrou também seu cuzinho todo vermelho, não resisti e após dar uma bela chupada no cuzinho e buceta coloquei ela de costa para mim e penetrei sua buceta com muito gosto e tesão explodindo numa gozada muito gostosa. Naquela noite ainda transamos mais duas vezes bem gostoso. Na quarta e quinta transamos á noite e na sexta mais uma vez ela foi ao meu escritório, saímos dali e fomos direto ao apartamento do Roberto, então ainda no carro ela me beijou e disse: amor hoje vou sozinha ta, amanha você vem cedo me buscar, fiquei mais uma paralisado olhando ela pegar nossa filha no colo e entrar no prédio, foi uma noite mal dormida, de manhã fui busca lá, ela recém havia acordada e Roberto me recebeu, eles ainda transaram no banheiro antes de sairmos, em casa ela me contou como foi sua noite de amor com Roberto, me mostrando sua bucetinha inchada e vermelha, transamos como doidos e o tesão era cada vez maior. Na semana seguinte ela encontrou com ele na terça e na sexta me esperou em casa onde fomos ao supermercado fazer umas compras de vinhos, massas, e frutas para café da manhã e voltamos para casa, tomamos banho, ela vestiu uma blusa decotada e uma mini saia jeans que só usa em casa, mais nada por baixo, logo bate a porta, atendi era Roberto entrou e cumprimentou a mim e minha esposa com um beijo de língua daqueles de bons amantes, sentamos, ela serviu vinho e aperitivos e foi fazer nosso jantar, sempre que retornava a sala ela dava um jeito de mostrar parte da bunda para nós dois deixando com tesão, jantamos, bebemos e conversamos, então ela se levanta puxa ele e a mim pelo braço em direção a nosso quarto, mais uma noite de amor, muito sexo, dupla penetrações, muito gozada dentro de Sandra Regina que estava cada vez melhor na cama, nossa noite foi maravilhosa e Roberto provou ser um ótimo amante, na manhã transamos mais ainda e após o café da manhã ele foi embora deixando nós no banheiro onde mais uma vez fizemos amor com a água caindo em nossos corpos. Outra semana, terça ela ficou com ele durante o dia e de noite me contou tudo com detalhes onde nossa transa foi mais alucinante ainda, eu já esperava a sexta quando ela entra no meu escritório e saímos juntos para mais compras e de noite ele veio em nossa casa, bebemos vinho e desta vez ela usava um vestidinho branco curtinho de suplex que deixava sua minúscula tanguinha vermelha bem marcada e a transparência do tecido deixava seus seios sem soutien praticamente a mostra. Uma delicia, ela se ausentou para amamentar e quando retornou disse: amor hoje você dorme no quarto de hospede! fiquei olhando, quando recebo um beijo e ela disse: essa noite é só minha e do Roberto, tudo bem? Aceitei e caminhei para o quarto que já estava arrumado enquanto eles entraram na nossa suíte que é bem acústica não me deixando ouvir nada, na manha seguinte ela me chama na cozinha onde eles tomam café, me juntei a eles onde ela usa apena uma minúscula tanguinha fio dental vermelha com rendinhas que lhe dei de presente naquela semana, ela sentou em meu colo e me disse: te amo muito, tomamos café, Roberto foi embora e fizemos amor loucamente. Assim ficamos por três anos com Roberto, nas terças eles ficavam o dia juntos, e cada sexta nós fazíamos assim: nós três no apto dele; só eles no apto dele; nos três em casa; só eles em casa. Algumas vezes saímos nos finais de semana. Como disse Roberto foi transferido para ser vice reitor numa universidade federal no nordeste. A Sandra Regina já saiu com nove caras diferentes depois da partida de Roberto, como ela me disse alguns são bons de cama só que não podem ter-la como amante fixa, outros podem ter-la como amante só que são ruins de cama, outros não são como ela quer e assim ainda não escolheu o substituto de Roberto. Agora ela quer um casal de mente aberta como nós, se for o caso entre em contato pelo e-mail sandrareginalinda@zipmail.com.br e um beijo a todos leitores

Moro numa cidade no interior do Rio Grande do Norte, muito pequena e por isso vou omitir o nome da cidade e o meu será Max (fictício). Bom mais vamos a história. Tenho 23 anos, cabelos e olhos castanhos e um corpo normal: nem magro nem gordo. Este fato que irei narrar aconteceu há uns três meses atrás. Moro vizinho a um pequeno supermercado, cuja parte de cima é a casa do proprietário, o Seu João. Acontece que sua única filha, Juliana (fictício), separou-se do marido e voltou para casa com um bebezinho de 07 meses. Seu João tratou logo de arrumar uma babá numa cidade vizinha. Era a filha de um ex-funcionário seu e tinha 14 aninhos. Eu estava visitando Juliana quando Seu João chegou com Patrícia (fictício). A moreninha tinha um corpinho perfeito: coxas grossas, bunda empinada e uma boca carnuda, além de ter um rosto lindo. Simplesmente perfeita. Tratei logo de fazer amizade com a menina. Ela se mostrou muito sorridente e falante. Juliana, maldosamente, comentou com ela que eu era um “rasga anjo”, o que a deixou corada na hora. Eu desconversei e disse que estava de saída.

Confesso que naquela noite não dormi direito só pensando na moreninha. Logo cedo, antes da 07:00h fui visitar Juliana, mas para minha surpresa ela tinha ido à capital resolver problemas do seu divórcio e Patrícia estava sozinha em casa, além de Natanael, o bebê de Juliana que dormia como um anjinho. Notei Patrícia bem mais à vontade que no dia anterior, mais falante ainda. Há certa hora, ela terminou os afazeres domésticos e pediu-me licença para tomar seu banho. Fiz menção em ir embora, o que fui impedido por ela, dizendo que fazia questão que eu ficasse. Não me fiz de rogado e fiquei lendo uma revista enquanto ela tomava seu banho. Uns quinze minutos depois ela apareceu usando um top com um micro short de um algodão, fininho e colado ao seu corpo, realçando ainda mais suas formas divinas. Fiquei deslumbrado e foi difícil disfarçar o volume entre as pernas. Ela então perguntou-me se eu sabia jogar um jogo de cartas chamado pif paf. Disse que sim, mais geralmente jogava a dinheiro. Ela disse que não tinha dinheiro, mas na sua cidade ela tinha jogado com um garoto e quem ganhava escolhia uma prenda para o perdedor pagar. Ela disse que o garoto sempre que ganhava pedia-lhe um beijo na boca. Topei na hora, já esperando o que estava para acontecer. Ela, apesar da pouca idade, sabia seduzir um homem e eu, confesso, estava completamente envolvido naquele jogo. Começamos a jogar e ela mostrou-se uma ótima jogadora e venceu a primeira partida. Ela me disse que iria pedir para eu tirar a camisa, porém poderia chegar alguém da casa e seria uma situação constrangedora. Então ela pediu para morder o meu queixo. Deu-me uma mordida longa e suave. Adorei. As outras três partidas seguintes ela também ganhou e pediu uma mordida na orelha, um beijo no pescoço e finalmente, um beijo na boca. Mas estava mais para uma bicoca do que para um beijo na boca. Na quinta partida, finalmente ganhei. Não pensei duas vezes e pedi um beijo de língua. Ela não se fez de rogada e aproximou-se de mim e fechou seus olhinhos. Dei-lhe um beijo suave e bem molhado. Foi o máximo. Quando terminamos o beijo escutamos a porta se abrindo, disfarçamos e fingimos que era apenas um inocente jogo. Terminamos aquela partida e me levantei para ir embora, quando ela me perguntou quando seria a próxima partida com um ar de felicidade. Disse que à noite não teria ninguém lá em casa, já que haveria uma quermesse na igreja do bairro e todos lá de casa iam participar. Fui para casa e logo após o almoço fingi estar com dor de cabeça e fui para meu quarto dormir. Só acordei perto da hora do jantar e disse a minha mãe que ainda estava indisposto e não iria acompanhá-la à quermesse. Depois do jantar todos saíram de casa e não passou cinco minutos ela bateu na minha porta. Acho que ela estava só esperando eles saírem. Já conduzia o baralho e com um largo sorriso no rosto perguntou-me se poderíamos começar o jogo. Olhei se ninguém na rua tinha a visto entrar e fechei a porta. Desta vez estava com mais sorte e ganhei a primeira partida. Não quis me precipitar e pedi novamente um beijo na boca. Esse foi melhor ainda, pois ela estava mais solta. Na segunda partida ela ganhou e me pediu para eu tirar a camisa, pois queria ver meu corpo. Fiquei excitadíssimo, e ela além de ver meu tórax, também pode apreciar o volume por baixo do fino short de algodão e sem cueca. Ela nem disfarçou e ficou olhando com os olhinhos arregalados. Na outra eu ganhei e pediu para ela tirar seu top, o que ela fez sem hesitar. Quase cai para trás ao ver aqueles peitinhos pequenos e durinhos. Continuamos o jogo e ganhei novamente e lhe pedi para lamber seus peitinhos. Ela fechou os olhinhos e balançou a cabeça positivamente. Aí eu mandei ver. Chupei durante uns cinco minutos. Voltamos ao jogo, e quando ela ganhou, disse que queria que baixasse o short, todavia, ela própria o faria. Levantei-me e fiquei aguardando, também com os meus olhos fechado. Ela baixou lentamente e quando o pênis surgiu ela caiu de boca, numa maestria que me impressionou. A partir daquele momento não queríamos mais saber de jogo. Tratei logo de tirar sua bermuda jeans e a linda calcinha rosa de bichinhos. Deparei-me com a bucetinha mais linda que havia visto na vida. Bem depiladinha e que cheiro! Cai de língua por mais de dez minutos. Não sei nem quantas vezes ela gozou. Posicionei-me para penetrá-la, mas ela recuou dizendo que ainda era virgem e pretendia continuar assim até que achasse a pessoa ideal. Quando já ia desistir de tudo, ela virou-se de costas, e empinando a bundinha, disse:

- Se você for bem carinhoso, deixo meter na minha bundinha!

Não acreditei no que estava acontecendo. Confesso que se estivesse lendo um conto não acreditaria. Mas, não perdi tempo e passei minha língua naquela bundinha carnuda e macia. Ela delirou, começou a falar palavras inteligíveis… Chamava-me de meu macho, pedia-me para fodê-la logo. Cuspi na cabeça do meu pau e fui metendo, só parando quando meu saco bateu em sua bundinha. Com o dedo bati uma siririca frenética nela. Ela rebolava como uma louca e pedia para eu bater em sua bunda, cada vez mais com força. Nunca pensei que uma menina tão nova fosse tão fogosa. Após muitas estocadas firmes, gozei abundantemente em sua bunda. Tomamos um banho e ela foi para sua casa. Porém, antes de sair, ela disse que teria uma surpresa para mim e saiu quase que correndo. Não precisa nem dizer que não durmi naquela noite. Passei três dias sem vê-la, achei até que ela estava me evitando, todavia, no sábado, dia da feira em nossa cidade, às 07:00h ela bate em minha porta. Eu estava sozinho em casa novamente, pois todos tinham ido para feira. Ela entrou chorando e disse que tinha discutido com Juliana e ela a tinha mandado embora. Perguntou-me se eu não poderia deixá-la em sua casa, distante 25km daqui. Coloquei sua mala no meu carro e seguimos viagem. Como ela não parava de chorar, perguntei-lhe o motivo. Ela parou, olhou bem para meu rosto e disse:

- Você é bobo mesmo! Não vê que estou apaixonada por você! E agora não vamos mais poder nos encontrar…

Parei o carro na hora e fiquei mais de um minuto olhando para ela. Aproximei lentamente e trocamos um apaixonado beijo na boca. Dirigi mais uns 07km e chegamos até um motelzinho de beira de estrada, bem fraquinho, porém, com um quarto bem aconchegante e limpo. Mais uma vez ela me surpreendeu dizendo, logo que entramos no quarto:

- Decidi que, embora seja a última vez que vamos nos ver, quero que você me faça mulher!

Como dois animais, nos atracamos num longo beijo, e fomos nos livrando das roupas. Tratei de chupar sua bucetinha cheirosa oferecendo meu pau duro como uma barra de ferro para ela chupar também, num delicioso 69, aproveitando para colocar bastante saliva em sua bucetinha. Após uns 10 minutos nessa chupação, coloquei-a na posição de “frango assado” e encostei meu pau em sua bucetinha e dei uma pequena forçada e senti quando bateu no hímen. Fui empurrando meu pau lentamente, curtindo cada centímetro daquela bucetinha linda. Fui aos poucos aumentando o ritmo, até que, num frenesi louco, gozamos juntinhos. Não lembrei nem da hipóstese dela engravidar. Depois desta trepada fenomenal fomos tomar uma ducha, pois escorria na sua perna esperma misturada com sangue do seu cabacinho. Ficamos namorando por uns quinze minutos, até que ela lembrou que tinha que ir para casa, senão seu pai iria desconfiar da demora. Deixei-a na porta da sua casa, trocando juras de amor e promessas de um novo encontro. Ela já me ligou umas dez vezes depois disso, falou-me que estava trabalhando na casa do vice-prefeito da cidade como babá, mais ainda não tivemos oportunidade de nos reencontrarmos. Quando isso acontecer, conto aqui.

Depois que revelei para meu marido que já tinha transado com uma mulher na época da faculdade, começamos a fantasiar uma relação a três. Mas não poderia ser uma situação forçada, teria que deixar acontecer. Aproximadamente um ano depois numa noite de sábado, fomos num bar chamado Chaparral, meu marido perguntou se eu aceitaria convidar uma amiga, que estava sozinha na mesa em frente. Achei esquisito, pensei um pouco, olhei para mulher achei bonita e aceitei. Ela veio para nossa mesa, se apresentou dizendo que seu apelido era Juce, começamos conversar, ela tinha a nossa faixa etária, era simpática, gostava de contar piadas. Ficamos mais de uma hora, o papo estava bom, mas a Juce perguntou se poderíamos dar uma carona, topamos e fomos levá-la. Quando estava no meio do caminho, ao passar em frente de um motel, meu marido falou;depois que deixarmos a Juce, podemos vir brincar um pouco; e apontou para o motel. A Juce ouvindo isto, falou que se quiséssemos ela ficaria esperando no carro. Meu marido incentivou e aceitei, entramos no motel, pedimos a melhor suite, Falei para ela que se quisesse poderia tomar banho na piscina, ela topou. Fomos dançar, meu marido começou tirar minha roupa, sem nenhuma pressa, deixou de calcinha e sutiã. Falei no seu ouvido, se acaso quisesse poderia transar com a Juce. Ele foi até a piscina pegou a Juce, deitaram na cama, fui para o sofá e fiquei assistindo os dois pelo espelho do teto. Ele começou fazendo sexo oral, fizeram meia-nove, depois colocou a camisinha e deixou a Juce de quatro e fez penetração por trás. Ela deu um grito, levantei minha cabeça para ver melhor e vi meu marido colocando o pau na bunda dela, foi uma cena muito excitante. Depois disto, ele veio até o sofá, pegou minha mão e falou que eu era o seu grande amor, e que ainda não tinha gozado e queria gozar comigo e não com a Juce. Fomos para cama e a Juce ficou deitada no sofá. Comecei fazendo uma chupeta bem gostosa, mas na hora que vi que ele ia gozar diminui o ritmo e falei para segurar o gozo, porque eu também iria segurar. De vez em quando via a Juce olhando pelo espelho, que delícia! Quase gozei. Logo em seguida, meu marido pediu para a Juce trazer refrigerante, ela trouxe. Meu marido pegou na mão dela, sentou na cama, ela estava do lado esquerdo e eu do lado direito, ele começou a me beijar e puxou a Juce, ela começou a beijar meu marido, nós revezamos os beijos, quando nós duas estávamos com a língua dentro da boca dele, ela sem soltar minha língua, me beijou, foi o primeiro beijo que dei em uma mulher. Meu marido saiu debaixo de nós. A Juce juntou o corpo dela no meu e começou a me apertar e passar a língua no meu corpo todo, chegou na minha vagina e chupou com força, colocando o clitóris na boca, não demorou e gozei. Chegou minha vez de retribuir o prazer, comecei nos pés, fui para coxa, subi para o umbigo, chupei os seios, estavam arrepiados, fui para a boca e dei um beijo profundo, ela disse no meu ouvido que era a sua primeira vez. senti que estava gostando do jeito que estava fazendo, enfiei a língua dentro da vagina e estimulei o clitóris e introduzi o dedo no ânus, ela não resistiu e gozou. Foi delicioso ver que estava dando prazer para outra mulher. Olhei para meu marido, parecia não acreditar que estava realizando nossa maior fantasia erótica. Depois fomos para piscina, transamos os três. Na hora que nós duas chupamos o pênis, foi que ele gozou, espalhou esperma para todos os lados, na minha boca e no rosto da Juce. Ficamos até amanhecer. A última transa foi dentro da hidromassagem, meu marido ficou deitado com a água quase na cintura, sentei no pau dele e a Juce sentou com a vagina na sua boca. Eu e a Juce ficamos frente a frente e meu marido debaixo, trocamos carícias, beijos e chupamos os seios uma da outra. Terminamos a noite os três abraçados. Foi maravilhoso. No dia seguinte, já em casa, debaixo do lençol, meu marido contou toda a verdade sobre a Juce. Eles já tinham transado alguns anos atrás, e tinha reencontrado na fila do Banco do Brasil, eles saíram. E meu marido perguntou se ela topava sair em três. Ela disse que nunca tinha feito isto, mas que aceitava para ver como que era.PORTANTO FOI TUDO COMBINADO ENTRE MEU MARIDO E A JUCE E EU NÃO SABIA. Depois de uma semana perguntei se ele toparia sair os três novamente, ele falou que era perigoso, entendi o que ele disse, mas insisti e saímos. Fizemos tudo diferente, fomos ao teatro, dançamos e terminamos a noite num outro motel maravilhoso. Ficamos até o dia seguinte, almoçamos juntos e nunca mais vimos a Juce. (mulher maravilhosa).
bjs, ANA CAROLINA

Meu marido foi pescar…

MEU MARIDO FOI PESCAR

Meu nome é Barbara, sou casada, tenho um casal de filhos, 40 anos e meu

marido 47.

Moramos em São Paulo e temos um rancho na beira da represa em Avaré, cidade do interior de S.Paulo

No final do ano de 1998 meu marido decidiu que iríamos passar o reveillon lá, para ficar longe do tumulto.

Nós dois fomos , os filhos iriam depois, lá estava muito gostoso, dias e noites muito quentes!

Passávamos os dias passeando de lancha, tomando sol e cervejinhas, estava muito bom…

Fizemos amizade com o vizinho da casa ao lado, um homem de 50 anos , moreno, corpo lindo bronzeado, cabelos grisalhos, muito charmoso e gentil, seu nome é Ricardo.

Voltando do passeio de lancha, estávamos na varanda da casa petiscando, quando tocou o celular do meu marido. Era um amigo convidando-o para ir pescar no Pantanal. Ele que adora pescar, ficou louco para ir e disse que eu não ficaria sozinha, pois os filhos viriam.

Tudo bem né? Fazer o quê? Naquela tarde, os amigos passaram por lá e ele foi para o Pantanal.

Na manhã seguinte, levantei tomei meu café e fui tomar sol, quando o Ricardo surgiu dizendo:- Bom dia! Ele queria que fôssemos passar a noite do ano novo na casa dele que estava repleta de gente. Eu disse que meu marido tinha ido para o Pantanal , mas que os filhos viriam e que seria ótimo… Agradeci, quando estávamos conversando, meu celular tocou: era meu filho dizendo que eles tinham outro compromisso e que não viriam. Só viriam se eu ficasse muito triste. Respondi que tudo bem e não contei que estava só. Desliguei o celular e comecei a chorar. Meu vizinho ficou ali me consolando e falando que meu marido não podia ter feito isso comigo, mas que o convite mais do que nunca estava de pé e que agora ele não me deixaria sozinha de jeito nenhum.

Depois de algum tempo de conversa, ele disse que iria buscar um champanhe para tomarmos e para esquecer as tristezas, eu aceitei e fomos tomar o champanhe na varanda da minha casa .

Ficamos ali conversando e tomando aquele delicioso champanhe, eu já estava me sentindo muito bem…ummmmm…

Foi então que ele me convidou para darmos uma volta. Eu disse que sim e que iria me vestir, pedi licença e fui até o banheiro, tomar uma ducha. No caminho, pus uma musica bem gostosa, vesti um vestido branco, bem solto transparente, curto e sem calcinha. Fui até a cozinha e percebi uma lâmpada queimada, fui a dispensa peguei a lâmpada nova e a escada e subi para trocá-la.

Quando estava no alto da escada, Ricardo entrou e ofereceu ajuda, foi quando ele percebeu que eu estava sem calcinha.

Eu disse que estava tudo bem, já descendo da escada. Naquele momento senti suas mãos macias e gostosas segurando minhas coxas grossas e bronzeadas, me virei olhei para sua sunga e percebi a rigidez de seu cacete …então ele me deu um beijo delicioso o qual eu correspondi com muito tesão…

Já não estava mais triste e sozinha. Meu corpo demostrava isso , estava estremecendo de tesão. Voltei a ficar de costas para ele, sentia sua respiração ofegante e isso aumentava o meu desejo, minha boceta já estava molhada, começou a escorrer pelas minhas coxas.

Ricardo começou a alisar minhas coxas, minha bunda, e foi com suas mãos caminhando até encontrar minha boceta lambuzada, começou a acariciar os pêlos macios e a penetrar com o dedo. Gemi ao sentir seu dedo dentro de mim.

Ricardo então esfregou seus lábios na minha nuca e seu pau duro na minha bunda carnuda.

E ali, naquela posição de costas para ele, arrancou meu vestido. Arrebitei bem a bundinha com um pé no degrau de baixo outro, no degrau de cima, deixando a mostra minha boceta cheia de tesão. Passou a língua de leve , me virei novamente e sentei- me no ultimo degrau da escada e abri bem as pernas para sentir sua língua quente e gostosa, que passava no meu clitóris. Depois penetrava o racho, eu estava delirando, com as mãos acariciava meus seios, depois subiu e chupou meus mamilos já enrijecidos…

Comecei a alizar suas coxas e pude sentir por cima da sunga seu pau duro, pus a mão dentro e estremeci ao sentir a grossura e o tamanho do seu pau. Abaixei-me e com a ponta da língua comecei a lamber a cabeça do seu cassete, depois coloquei-o quase por inteiro na minha boca e comecei a sugá-lo com muita vontade e tesão.

Nosso tesão era intenso! Eu não me lembrava mais de nada do mundo lá fora, para mim o que importava naquele momento era o tesão!! O que eu estava sentindo, foi então que ele quis me penetrar, meter seu cassete duro e gostoso na minha boceta palpitante de tesão, mas não deixei, queria aproveitar mais, muito mais aquele momento mágico.

Ele me pegou no colo, me carregou até a sala, me deitou no tapete, pegou outro champanhe e me disse : – Brindaremos esse momento! Despejou um tanto no meu corpo quente e bronzeado e lambeu. Foi jogando e lambendo e foi maravilhoso!!! Sentir sua língua quente percorrendo meu corpo, meu umbigo e quando chegou na minha boceta aí eu delirei, despejava aos poucos e me chupava, nunca senti tanto tesão em toda minha vida!!!

Só de narrar essa estória estou complemente molhada!!

Bom, revolvi então retribuir, jogando champanhe no seu corpo delicioso lambendo-o inteiro, ele gemia, enchia minha boca de champanhe e chupava aquele pau duro e gostoso .

Até que não mais agüentando pedi para ele meter com tudo!!! com força!!! me foder como se eu fosse uma puta!! Assim ele o fez, me penetrou de uma só vez e eu gritei de dor e prazer!!!

Ai gente!!! que delícia! Ele dizia que minha boceta era deliciosa e que não queria parar de comer e meteu… meteeeeu…até que fomos num vai e vem sincronizados e gozamos juntos.

Foi MARAVILHOSO!!!!!, nunca na minha vida tinha sido tão bem fodida…. Ficamos algum tempo ainda ali deitados, nos acariciando e curtindo aquele momento.

Fiquei lá sozinha por mais 4 dias, e tranzamos todos os dias e noites. Cada dia era uma surpresa, ele é uma delícia, tem muita criatividade .

Portanto estamos juntos até hoje!!!!

Na noite do dia 31 eu passei lá, é claro, tinha umas 20 pessoas, a esposa dele bebeu demais e estava a fim de um amigo dele , então eu tive toda a sua atenção na festa, fomos para o banheiro, ele me sentou na pia e me chupou … hummm muito gostoso… depois fiquei de costas e ele meteu o cacete na minha boceta quente, gozamos… foi uma rapidinha deliciosa.

Depois da meia noite, demos um tempo e fomos para a praia e transamos novamente, ali, naquela água quentinha. Aí então, ele quis comer meu rabinho e é claro que eu dei!!! E adorei!!!

gozamos novamente… Foi o melhor final de ano da minha vida!

Mas sabe gente, ficamos expert em rapidinhas. Toda oportunidade que temos nós estamos trepando. No elevador, no banheiro de restaurante, em festas, no mato, no carro.

A VIDA É LINDA E CHEIA DE TESÃO!!!

NUNCA MAIS CHOREI POR MEU MARIDO ME DEIXAR SO! AHAHAHAHAH!!!

Depois voltarei para contar novas aventuras, vocês vão amar….

Até mais !!!!

TCHAUUUUUUUUUUU….BEIJOS!!!!!!!!


Olá amigos leitores é como muito prazer que venho aqui mais uma vez falar de sexo pra vocês. Eu me chamo Alex sou solteiro tenho 26 anos , 1.78 de altura, 70 kg, sou moreno, tenho 19 cm de dote e gosto muito de sexo,estou aqui hoje pra falar de uma história onde envolve amizade, discrição e traição. Essa história é entre Rose e eu, nós nos conhecemos há mais de 15 anos, fui criado dentro da casa de Rose e sou amigo de seus filhos Lucas hoje com 28 anos e Gabriel com 25 anos, seu esposo é o Roberto de 55 anos. De algum tempo pra cá a minha amizade está mais entre Rose e eu, Lucas foi estudar medicina em SP, e Gabriel Engenharia civil em Cuiabá MT,nos falamos mais pela internet e no final do ano quando eles vem de férias, Roberto é uma pecuarista, e passa a maioria do seu tempo viajando comprando e vendendo bois na região do Mt e Go e com isso Rose fica muito sozinha. Como eu sou o melhor amigo dos filhos dela, e claro eles o meus melhores amigos também, a nossa amizade se engrandeceu mais ainda depois da partida deles, ela sempre me convidava pra estar na casa dela conversando falando do passado e assim era uma forma dela matar a saudade dos filhos, eu deixava para visita-la sempre que o Roberto estava de viajem pra evitar constrangimentos,por que Rose é um espetáculo de mulher no auge dos seus 48 anos é uma deusa de mulher, aproximadamente 1,75 de altura, cabelos cumpridos, seios fartos, dona de uma bunda invejável resumindo é uma coroa muito gostosa, sempre tive atração por ela, sempre a desejei desde muleque, sempre quis ter aquela deusa na minha cama, confesso que já havia lhe rendido inúmeras homenagens (punhetas), porém sempre tratei com respeito a mãe dos meus melhores amigos. Em uma certa visita minha, sempre a noite, Rose estava super deprimida, triste, e precisando de um amigo pra desabafa-la, advinhem? Roberto havia lhe traído e ela descobriu tudo , ela ficou chocada e eu claro ofereci meus ombros para consola-la e foi aí que comecei o meu plano de ataque, eu perguntei o que ela pretendia fazer depois dessa descoberta, ela de cabeça quente, disse que iria separar ou então da o troco nele fazer ele pagar com a mesma moeda, e eu disse a ela que não compensaria ela perder um casamento tão longo por causa de uma traição que o ideal era ela da o troco nele e fazer ele pagar na mesma moeda seria a melhor opção e ela concordou. Foi ai então que eu perguntei a ela se ela já teria um cara em vista, e ela disse que ainda + ou – que esse cara teria que ser muito discreto e de confiança, e eu malandramente perguntei a ela se eu encaixaria no perfil , ela disse que eu seria perfeito por que ela me conhece, sabe da minha discrição e sabe da minha confiança só que tinha um pórem, O que um cara novo bonito charmoso, vai querer com uma coroa de 48 anos? Sendo que ta cheio de meninas novas por aí afim de 1 garotão bonito, e eu respondi dizendo que trocaria todas as mulheres que já fiquei por uma noite com ela por que sempre a desejei sempre tive uma forte atração, muito tesão, mais eu nunca iria cantar a mãe dos meus melhores amigos, e Rose respondeu: nossa que bom saber que eu desperto desejo num garotão assim como você, você que poderia ser meu filho né? E disse eu sei disso até então pretendia não revelar a você esse meu desejo . mais diante das circunstâncias eu não poderia deixar de dizer e eu pedi ela uma resposta já ali naquele exato momento se ela estaria afim ou não, ela me pediu que voltasse a noite as 21:00 horas que ela já teria a resposta, quando eu cheguei fui surpreendido com uma maravilha de mulher de camisola branca transparente e por dentro uma langeri preta fil dental aquilo me deixou de pau duro, eu de calça cueca boxer apertada imagina como estava meu caralho. Sentamos no sofá e Rose disse que já tinha minha resposta que ela ficaria comigo sim naquela noite mais que não queria motel ela faria questão de transar com outro homem na cama de Roberto, eu apeguei nos braços levei ate seu quarto, arranquei aquela camisola, tirei a langeri nos dentes e disse que naquela noite ela esqueceria que era casada que era mãe de família e que naquele momento eu iria faze-la uma puta, naquela noite ela seria minha puta e eu a trataria como tal, então comecei a beija-la gostoso, a xupar seus deliciosos seios e xupar seu clitóris, a vadia foi ao céu. Eu tirei minha roupa coloquei meu caralho na boca dela exigi que há fizesse uma garganta profunda como faço em todas as mulheres, e assim ela xupou gostoso, ela xupava tão gostoso que eu gemia alto de prazer, depois tirei meu kct da boca dela coloquei no cuzinho dela ao enfiar ela gritava por que até então ela nunca tinha dado o cuzinho, e eu sem dó nem piedade arrombei com o cuzinho de uma mãe de família casada, com uma mão eu puxava os cabelos dela , com a outra eu batia na bunda dela, e assim eu fiz ate gozar no cuzinho dela, essa foi a primeira de varias gozadas que demos nessa noite, a cada vez que íamos ao banheiro ela fazia questão que eu enxugasse com o roupão de Roberto afinal o corno tava merecendo né ? A partir dessa noite eu em tornei amante da mãe dos meus melhores amigos Lucas e Gabriel, Rose e Roberto não se separaram,só que agora ela tem um macho que come ela como ela merece, sempre que o Roberto viaja eu vou lá transar com ela. Essa foi mais uma historia de sexo de muitas que já aconteceram em minha vida, eu espero que nem o Lucas e nem o Gabriel leiam esse conto por que eles não me perdoariam, mais afinal nem Rose e nem eu somos culpados tudo começou a partir da traição de Roberto

Minha sogra de 43 anos

Conto real

Ola… bem sei que estão doidos(as) para ler meu conto, mais vou me apresentar primeiro… Sou branco 1,78 altura cabelos e olhos castanhos, 83 KG…Vamos então ao conto. Tudo começou no dia em que fui a casa de minha namorada, chegando lá ela me apresentou sua família, seu pai, sua mãe uma bela morena com seus 43 anos seios firmes, uma boceta enorme, uma bunda de dar inveja em qualquer garotinha, sua irmã minha cunhada ( que por sinal também e gostosíssima)… Ao beijar o rosto de minha sogra notei que seu olhos brilhavam e seus lábios tremiam, quase beijando em seus lábios à comprimentei, conversei por varias horas com minha sogra filé. Ela por sua vez se fez muito cativante, mais logo aquela morena gostosa se foi pois ela tinha uma unha marcada para fazer pois era a sua profissão, manicura, e teria que se arrumar para ir atender sua cliente, brinque com ela dizendo que um dia pediria para fazer minhas unhas e sorriu e disse e só pedir então ela se encaminhou ao banheiro para tomar banho e eu fiquei namorando com sua filha na sala, derrepente aquela morena gostosíssima passa pela sala apenas enrolada em uma toalha seus biquinhos do peito pareciam rochas marcando na toalha, fiquei com o olhar vidrado em seu corpo apenas coberto pela toalha… meu pau começou a crescer em meu short que era um pouco largo minha namorada nem notou mas minha sogra essa sim ficou com um olhar sacana… Duas semanas se passaram até que novamente eu fosse a casa de minha sogra pois sou militar e viajo muito, logo notei meu sogro meio nervoso, minha sogra estava se separando dele e ele estava saindo de casa, subi para o segundo andar aonde fica a sala e os quartos e minha sogra estava lá escutando musica, sozinha em casa, pois meu sogro já havia ido embora. Minha sogra estava de mini-short e uma blusinha curtinha que dava para ver o formato de seus seios. Beijei o seu rostos já de pau duro, perguntei como ela estava se sentindo, ela me responde com um lindo sorriso, ótima, em seguida ela perguntou se eu não queria fazer as unhas e disse que sim… Ela começou pelo pés, senti um carinho imenso em meus pés, ela começou a olhar mais fixamente para meu rosto, meu pau pulsava em meu short pôs não uso cueca, pensei, ela real mente queria algo mais não era fazer minhas unhas pôs começou a acariciar minha perna e a subir para minha coxa, perguntei, o que você esta fazendo ela disse apenas sinta meu genro delicioso. Nossa meu pau estava rasgando meu short, derrepente uma de suas mãos adentra em meu short ela começa a acariciar meu pau eu estou indo ao delírio, ela me manda ficar de pé. E com muita rapidez lá estou eu de pé, de uma vez só ela areia meu short… começa a apertar e abocanhar nossa que sensação maravilhosa logo em seguida puxo ela levanto sua blusinha e caio de boca em seu seios lindos, fico pensando nossa como ela e gostosa… Ela geme e grita me come! Me Come! Meu genro gostoso. Com maestria areio seu mini-short, nossa a calcinha e minúscula arremeto-a sobre o sofá vou puxando bem de vagar sua calcinha nossa a boceta dela e raspadinha e esta super lubrificada, cai de boca sugo todo o seu suco vaginal, nossa que delicia, ela me puxa mais continuo lá com a língua em seu clitóris de vez enquanto passo a língua em seu orifício anal. Nossa como essa mulher grita, me pede para possui-la, mais continuo sugando sua boceta… Sem agüentar mais come a encaminhar meu pau à sua boceta penetro a bem calmamente com pequenas estocadas, … ela geme grita pede me foda como uma cachorra, viro ela de costas e começo mais rápido com estocadas, mais ferozes, ela grita …porra me fode come sua sogra, mete ai…ai…ai…humm…humm, ai que gostoso, já não da mais para agüentar o gozo esta a caminho… ala se estrebucha em um gozo maravilhoso, logo em seguida eu colo um jato enorme de esperma em sua boceta… como e gostosa.


Em seguida fomos tomar banho juntos, já no chuveiro começo a ensaboar sua costas acaricio sua nádega sinto ela bem relaxada, eu não consigo para de pensar em seu cuzinho, começo a passar o dedo com a espuma de sabonete, ela se tranca em um pulinho e fala que o seu cuzinho e virgem, digo-lhe confie em mim peço para deixar eu continuar. Ela sem relutar deixa começo a esfregar o dedo em seu orifício sinto ela estremecer seu corpo todo, pergunto se quer que eu continue, me responde meio que em outro mundo que sim, começo a adentrar bem de vagar o dedo em seu cuzinho ela reluta e diz que esta doendo peço para ela agachar um pouco coloco bastante sabonete liquido em minha mão, unto seu cuzinho e começo a adentrar o dedo com muita dificuldade pois e muito fechadinho seu cuzinho, ela grita… ai…ai.. tá doendo, mais com quase a metade do dedo em seu cu, agora e tarde de mais para parar… começo um vai e vem bem de vagar com o dedo lubrificando seu canal anal… ela geme, em seguida com seu cuzinho mais acostumado enfio outro dedo agora com dois dedos em seu cu ela começa a gemer e sinto algo quente em minha perna e sua boceta que esta minando seu gozo maravilhoso, ela me pede para foder seu cuzinho, seu pensar duas vezes retiro os dedos e começo a entroduzir a cabeça do meu pau nossa como e difícil seu cu e muito apertado, passo um pouco de sabonete liquido em meu pau e começo novamente a forçar em seu cuzinho, a cabeça entra ela grita, para, mais agora não dá para voltar , ajoelhou tem que rezar, sem do dou uma meia estocada ela grita já sem ar e chora feito uma criança.. digo agora e tarde seu cuzinho me pertence… ela chorando me diz, você e mau, eu a digo não você e que e gostosa … agora começo um vai e vem delirante ela grita e me pede para meter mais … escutando-a meto sem do nossa que cu você tem ela esta em um delírio só mais meu pau pulsa já a caminho de um gozo maravilhoso.


Ela pede para gozar em seu rosto viro a rapidamente e inundo seu rosto de porra. Nossa estou super exausto, derrepente minha cunha grita mãe cheguei… nossa minha sogra fica doida e pede para eu sair do banheiro e vestir meu short, como ela ainda estava no primeiro andar deu tempo… ela sobe me comprimento e pergunta cadê minha mão.. lhe digo esta tomando banho. Ai ela abre um sorriso… e me da um beijo na boca.

Conto real

13/04/2012

Será que ela quer dar pra outro


Olá, meu nome é Rodrigo, sou médico recém-formado e namoro há 9 anos com a Fernanda. Sou um sujeito atraente e inteligente, no entanto negligenciei um pouco a minha aparência nos últimos tempos, em razão principalmente de estar noivo e não precisar mais sair para a “caça”. A Fernanda é uma mulher muito bonita, de beleza incomum, é morena, alta, 1,80m, tem uma cinturinha de violão, seios bem durinhos e razoavelmente grandes e uma bunda enorme e que é uma perdição.

Sempre fui um cara muito tarado e a Fernanda é daquelas mulheres que tiveram uma criação muito conservadora. Sempre quis fazer de tudo na cama, enquanto que ela só gosta de fazer papai e mamãe e raramente chupa meu pau, sexo anal então nem pensar, mesmo ela tendo um rabo imenso e muito gostoso.
Assim, nosso namoro foi passando e, ao longo dos anos, eu acabei desistindo de ter uma vida sexual mais selvagem com ela, acabando por cair na rotina.
Ultimamente tenho me masturbado muito, quase todo dia, e quando leio ou vejo alguma coisa sobre esse negócio de corno, do cara assistindo sua mulher sendo enrabada por outro ou de saber que sua mulher deu pra outro e não fazer nada, acabo ficando muito excitado.

Outro dia a Fernanda mexeu no meu computador e viu os sites que eu frequentava e acabou ficando com muita raiva, perguntando se ela não me satisfazia e outras coisas mais. Depois disso e de pedir umas dicas a uns amigos de comunidades do orkut, tentei ver se essa história de menage a trois era de interesse dela.
Então começamos a falar sobre fantasias, mas eu sempre com medo de falar diretamente pra ela, até que um dia saimos para jantar e ela tomou umas taças de vinho. Quando chegamos em casa, ela tirou a roupa e estava vestindo uma lingerie que a deixava simplesmente deslumbrante.
Era uma cintaliga vermelha, com meias tres quartos, um sutiã meia taça e um fio dental todo enfiado naquele maravilhoso rabo. Ah.. esse rabo é uma perdição, qualquer homem daria a vida para comer esse rabinho e nem mesmo eu como.
Então começamos a transar, nesse dia como ela tinha tomado um vinho começou a chupar o meu pau, mas não demorou muito e ficamos nos tocando, eu tocando uma siririca pra ela e ela indo à loucura. Então começamos a transar no papai e mamãe de sempre e eu com a mão no seu pescoço segurando e os dedos na bochecha, foi então que ela começou a chupar meu dedo com um tesão enorme, como se tivesse chupando outro pinto.

Então sussurrando eu perguntei: “Voce gosta de dois pintos?”, Ela respondeu, gemendo: “Gosto!!”, ao que falei novamente: “Eita que tu queria dois pintos, né safadinha?”, e ela disse: “Quero!”, e então falei: “Pena que eu só tenho um!”

Depois disso, fiquei com um tesão enorme, virei-a de quatro e comecei a comer a buceta gostosa dela, vendo aquela bunda enorme pulando na minha frente e sentindo meu pau um pouco folgado naquela buceta, pensando involuntariamente que aquela buceta aguentava uma rôla bem maior e continuei bombando naquele rabo gostoso, sentindo o cheiro de um cu limpo que só quem já sentiu sabe como é. Assim gozei, comendo ela de quatro com ela chupando meu dedo e imaginando que ela estava chupando o pau de outro cara ao mesmo tempo.
Passamos um tempo deitados, até que o clima esquentou de novo e voltamos a transar e ela, na mesma hora, começou a chupar novamente o meu dedo e, depois de alguns minutos no papai e mamãe, ela deu a maior gozada da vida dela em todos os nossos 9 anos de namoro, sempre chupando meu dedo e comigo chamando ela de “putinha”, “vagabunda”, “rapariga”.
Depois disso, que tem uns 3 meses, percebi que ela ficou muito vaidosa, coisa que ela nunca foi e que ela só goza agora quando chupa o meu dedo e que fica mais calada durante o sexo, como se estivesse imaginando alguma outra coisa. Como a nossa vida sexual andava muito parada antes desse episódio, comecei a ficar na dúvida de se ela queria transar com outro na cama e se na hora que ela chupa meu dedo, imagina que está chupando um pinto.

Fora isso, outro dia estavamos falando de fantasias e eu disse pra ela que ela nunca iria saber minhas fantasias sexuais mais íntimas, ao que ela respondeu que sabia qual era minha fantasia mais intima e disse que eu ja tinha dado indicios disso e que com o tempo ela iria realizá-la, nesse mesmo dia, estava passando um programa na tv sobre swing, e ela me encheu de perguntas sobre o assunto, ao que respondi prontamente, mas depois fiquei meio ressabiado. Então, eu venho aqui contar este relato e perguntar a vocês se vocês acham que ela quer dar para outro homem junto comigo (ou outros homens), ou mesmo se ela já não me traiu por aí – o que sinceramente eu não duvido, porque aquele rabo gostoso certamente já atraiu olhares e cantadas de vários marmanjos por aí, se ela resistiu as cantadas ou não eu não sei, mas às vezes me pego pensando se é fantasia minha ou se eu realmente quero ver aquele rabão enterrado e rebolando suavemente numa piroca de outro homem.

Sou médico e tenho 28 anos. Minha namorada tem 23. Somos um casal bonito,sarados e com muito tesão. Era uma quarta-feira em Niterói e tirei o dia de folga para ir a praia com Priscila. Chegamos lá e começamos a beber. Como ainda morávamos na casa dos pais, nossas melhores trepadas eram nos motéis. Combinamos de dormir num motel de Itaipu logo depois da praia. Estava um sol maravilhoso e nosso tesão era muito grande. Estava com uma sunga e meu pau toda hora ficava duro, sorte que a praia estava deserta. Falávamos de sexo a todo momento. Em dois anos de namoro já havíamos realizado vária fantasias, como trepar na praia, em banheiro da facul e na varanda do apartamento dela. Mas sempre imaginávamos trepar com outro casal nos olhando, sem troca. Adorava comer o cú da Priscila, apesar dela reclamar por eu ter uma pau exagerado de 22 cm. Era umas 4 da tarde e estávamos meio bêbados e quase indo embora. De repente aparece um ex-colega da minha faculdade com sua namorada. Era o Rafael, o pegador da turma. Realmente era um cara bonito, dem quase dois metros e muito malhado. SUa namorada tb era maravilhosa. Rafael pegou quse todas as meninas da turma e ainda tinha fama de ter um pau descomunal, de uns 25 cms. Minha mulher sabia dessa história e sempre tratava Rafael muito bem, o que me causava certo ciúme. Encontramos por acaso e logo botamos o papo em dia. Sentamos numa barraca e começamos a beber. Eles já estávam meio altos, assim como nós. Falávamos de tudo, até que começamos a conversar sobre sexo. Confessamos que tínhamos planejado dormir no motel para dar aquela metida. A carol, namorada do rafael disse que há 20 dias não metiam e que estávam doidos para meter tb. Disse que o problema era que Rafael adorava comer seu cú, mas que doia muito, por ter um pau uito grande. Priscila falou que adorava dar o cú e não se importava com o tamanho do meu pau, que tb era grande.
Começamos a perder o pudor e falávamos sobre tudo. Carol disse que Rafael era tarado e gostava de meter a noite toda. Priscila, que parecia com ela competir disse que tb gostava de meter a noite toda e gozar no mínimos 3 vezes. Caro disse que o pau do Rafael atrapalhava um pouco por ser muito grande, Priscila disse que era frescura e Carol não se conformou e disse que ela não imaginava o tamanho do pau do Rafael. Carol ficou tão nervosa que disse: amor mostra seu pau pra ela. Rimos, mas ele logo tirou o pirusão para fora e mostrou o danado. Realmente era maior que o meu. Priscila não se fez de rogada e disse que o meu era quase daquele tamanho e que adorava um pau grande. Rimos e tudo conspirava para putaria. Priscila, de repente começou a me beijar e acariciar meu pau e disse que tava doida para ir embora meter. Arrumamos as coisas para ir embora e Rafael perguntou se estávamos de carro. Dissemos que não, por causa da lei seca e que iríamos de taxi ao motel. Então nos ofereceu uma carona e logo aceitamos. No caminho o clima esquento e Priscila falava: ai que vontade de chupar seu pau, amor. Acho que falava para provocar Carol. Carol então disse a Rafael: porque não fazemos o mesmo e dormimos aqui no motel tb, amor? Rafael concordou. Chegamos ao motel e pedimos 2 quartos. Mas a recepcionista disse que só havia a suíte presidencial disponível. Rafel disse que podíamos ficar e que eles iriam embora. Mas Priscila, muito safada disse: gente, a suíte presidencial é muito grande, tem 2 andares e podemos dividí-la. Confesso que adorei a ideia. Logo pensei na oportunidade de ver Carol peladinha, sendo enrabada por Rafael. Eles ficaram meio constrangidos, mas logo aceitaram. Fomos então os 4. Chegando lá, a suiíte era realmente maravilhosa e dava para dividirmos. No entanto, só havia um banheiro e uma banheira. Entramos e logo elas falaram: quem irá tomar banho primeiro? Brincamos e não decidimos qual o casal seria o primeiro. Começamos a beber de novo e ficamos o 4 papeando, até que propus: vamos brincar de vira-vira, quem não virar, o respectivo casal toma banho no box e o outro na banheira. Senti que todos gostaram, apesar de Carol ter dito que: como, se a banheira é em frente ao box? Falei: vai falar que não tem tesão de tomar banho pelada na nossa frente? Riu e disse que sempre fantasiou trepar na frente de outro casal. DIsse que essa era nossa fantasa tb e que havia chegado a hora de realizar. Começamos a virar e ficamos chapados.
Carol não conseguiu virar um copo e acabou perdendo. Foram ao banheiro e começaram o banho no box. Logo depois, Priscila e eu entramos na banheira pelados enquanto os víamos os dois. Eles, muito safados, começaram a se acariciar e logo o pau do Rafael ficou duro. Ele, muito safado, fazia questão de mostrar seu pau para minha namorada. Priscila fazai o mesmo comigo. Logo estávamos metendo, cada qual em seu espaço. Priscila gemia alto e metia muito. Falava baixo no meu ouvido que estava com muito tesão e que tava doida para ois dois virem para a banheira tb. Disse que podia chamar. Chamou e ele vieram. Priscila, que estava sentada de costas no meu pau, ficou doida ao ver Rafael se aproximando com aquele pau enorme perto dela e logo o puxou e começou a chupá-lo. Comeóu então a maior suruba de todos os tempos. Carol veio me beijar e chupar meus mamilos. Logo Priscila estava sentada no pau do Rafael e Carol no meu. Metíamos e nos beijávamos muito. Passávamos as mãos uns nos outros, até que Priscila pediu para Rafael comer seu cú. Carol não acreditou e por ciúme pediu o mesmo a mim. Gozamos os dois ali, lado a lado de quatro. Metemos a noite inteira e dormimos pelados na cama. No dia seguinte, pela manhã, rolou mais meteção. Foi demais aqueles momentos. No dia seguinte fomos embora e tá hoje não os encontramos novamente, mas Priscila e eu sempre lembramos dessa putaria em nossas transas. Nossa relação está excelente e com tesão maior a cada dia. Esperamos repetir a dose qq dia.

Tesão a 1ª vista

Tesão à 1ª vista

Tesão à 1ª vista

Olá! Meu nome é Silvana, tenho 21 anos. Tenho 60 kilos bem distribuidos em 1,75m de altura, sou branca de cabelos castanhos dourados e olhos castanhos.

Tenho que contar o que me aconteceu ontem! (26 de outubro de 2011) Pra começar do início, eu moro nos fundos da casa da minha mãe, sozinha! Há uma piscina e o espaço entre as duas casas é grande.
Ontem, minha mãe me disse que uns parentes distantes viriam para aquele almoço de domingo. Chegaram quando eu estava saindo do banho, me arrumei e 20 minutos depois sai na porta com a intenção de ir na casa da minha mãe conhece-los, quando me deparo com um homem lindo, 1, 85m mais ou menos, moreno, de olhos verdes… ahh! uma coisa!!
Minha mãe tava do lado dele e disse:
- Esse é seu primo! Vão conversando que eu tenho que ir olhar as panelas…
Ele estava com uma regata vermelha e uma bermuda legal, eu estava de shortinho e regata bem a vontade… então ele ficou parado me olhando de baixo em cima e eu tbm retribui e ficamos ali parados alguns segundos se olhando como se o tempo tivesse parado! Bateu então aquele desejo e já estávamos despindo um ao outro com os olhos!!!
Naquele momento, eu não pensava mais em nada, só nele! Entrei em casa e ele veio atrás de mim, continuei andando até o meu quarto sentindo o calor do corpo dele atrás de mim. Quando cheguei no quarto, ele me pegou bem firme, me virou, me colocou sentada numa mesinha onde estudo e me beijou. Fiquei excitada na hora só com aquele beijo e que beeijo!! Lacei as pernas em volta do quadril dele e senti sua pica dura.
Eu tirei sua camisa e aquele corpo era todo definido e sarado. Ele pegou na minha perna, depois na minha bunda e me levantou, me levando direto pra cama.
Tirou minha blusa, me beijando do umbigo até a boca, tirou meu sutiã e beijou meus seios. Eu abri sua bermuda e passei a mão na sua pica, fiquei doida e não podia nem acreditar naquele momento! Ele tirou minha bermuda, puxou minha calcinha de lado e chupou minha xota passando a língua quente como se fosse um doce delicioso e eu gemia de prazer. Eu queria retribuir, então fiz ele deitar, tirei sua bermuda e vi aquela pica deliciosa na minha frente, chupei como louca e ele me segurava pelos cabelos com firmeza e no meu ombro como se quisesse me puxar. Olhei pra ele e li seu pensamento, (até aquele momento, não tínhamos trocado uma só palavra) virei meu bundão e continuei chupando!Foi o 69 mais gostoso da minha vida!
Depois dessa deliciosa preliminar, sentei devagarzinho na sua pica, encaixando e sentindo um fogo subir por todo meu corpo. Comecei a rebolar de leve, gemia baixinho e ele parecia que tava sem ar, massageava meus seios e me olhava fixo sem piscar, como se não quisesse se esquecer daquele momento. Me segurou e me fez galopar, pulando em cima dele, eu comecei a gemer mais alto, estava estasiada de prazer e olhávamos um pro outro. Me fez sentar com força e me jogou pra trás, eu fiquei de quatro e ele ficou passando a cabecinha na frestinha da minha xota só pra me enlouquecer. Eu empinei mais a bunda e ele enfiou de vez na minha xota me fazendo gritar e gemer como louca! Depois de muito prazer, eu gosei e minhas pernas ficaram moles (isso sempre acontece) e então ele me colocou deitada na posição abitual, me beijou e não demorou muito pra gozar tbm! Minha xota ficou cheia de porra. Ele deitou do meu lado e descansamos um pouco… até que eu olhei pra ele e disse:
- Oi! Seja bem-vindo! Como é mesmo seu nome?
- Eduardo e o seu?
-Silvana!

Espero que tenham gostado! Em breve, eu contarei m

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.